Blog do Paullo Di Castro


sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Esperança que renasce

E o ano acabou, o que dá pra olhar pra trás e se orgulhar? É difícil bater no peito e dizer que você produziu o tanto que queria, o que sonhou e que o teve oportunidade. Mesmo vivendo experiências fantásticas, inéditas, deixamos pra trás muitas chances de sermos melhores, de ajudarmos mais, de crescermos como indivíduos, e coletivamente nos ambientes que frequentamos. Pode sempre faltar algo, mas como dá pra viver grandes coisas em um ano!

Em 2010 tive um desafio familiar muito difícil, porém, superei com vontade, e vi meus entes queridos fazendo o mesmo. Vi minha turma concluir a faculdade de Comunicação, gravei e lancei o primeiro CD com minha banda S142, tocamos em diversos lugares, crescemos como músicos, em nossa amizade e no relacionamento com Deus. Viajei pra Porto Seguro com os amigos, dei muitas risadas, muitas noites de massas, me despedi de alguns, e construí novos relacionamentos.

Aprendi mais da palavra de Deus, lendo mais, participando de discipulados e Grupos de Crescimento, toquei no louvor da igreja. Rodei por Pirenópolis, Brasília, Anápolis, Jataí (várias vezes), dentre outros. Trabalhei durante todo período de pré e durante a campanha ao governo do estado, conheci muitas pessoas da minha área e aprendi muito, fiz muitos contatos e serviços através da internet, frequentei as maiores redes sociais intensamente, estreitando contatos, com bons feed backs, muitas vezes negligenciando a presença física, mas sempre buscando um equilíbrio, tentei virar um cozinheiro mas ainda pouco progredi.

Em 2011, quero mais: experiências profissionais novas, acadêmicas, musicais, ministeriais, relacionamentos, boas amizades, interação pela web, comer muito sal com muita gente, ouvir muita música boa, ler bons livros, ler mais a Bíblia, ver bons filmes, viajar, arrumar minha bagunça, tocar muita batera, iniciar a construção de um grande sonho, estar perto da minha família sempre que possível, e mais próximo de Deus como nunca!

Obrigado a todos que dispensaram um pouco de seu tempo nesse blog, espero ter compartilhado coisas edificantes, interessantes, informações relevantes, pensamentos embasados, opiniões concretas, dúvidas sinceras e respostas honestas.

Te desejo um feliz 2011, que Deus possa estar presente em sua vida, lhe abrindo portas, dando saúde, amor, fé e esperança. Não desejo que tudo se realize, mas sim, as coisas certas, que nos façam melhores, e os erros, que produzam crescimento.

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Balanço político

Como um dos últimos posts do ano, nada mais apropriado que refletir sobre as três esferas políticas, que estão encerrando um ciclo e começando outro, sem muita novidade.

BRASIL:

Chegamos ao fim do mandato de oito anos, do presidente mais popular, de maior índice de aprovação, que veio da esquerda, que não tinha estudo, que tantou, tentou, e chegou lá, fazendo um governo um tanto irreverente, que muito seguiu a política econômica dos anos FHC, porém, ao invés de privatizações, produziu um crescimento nunca visto. Se o Fome Zero que era o programa carro-chefe do primeiro mandato não vingou, o Minha Casa Minha Vida, do ano passado pra cá, surtiu mais efeito. Já o PAC ficou devendo.
Um dos trunfos do governo que se encerra é a política internacional, que colocou o Brasil em patamares "nunca antes na história desse país" alcançados. Um diálogo aberto com países de A a Z, desde os EUA até os controversos Irã e Coréia do Norte. A crise econômica que tomou a maioria das nações não chegou com força em solo brasileiro.
O fato é que Lula fez um governo diferenciado, mesmo com a crise do mensalão, que derrubou tanta gente do alto clero governamental, o presidente conseguiu com sua habilidade política e populista escapar da participação. O Congresso Nacional fez as piores lambanças de todos os tempos, até o apagar das luzes, mas o presidente, com sua marca fortalecida, ficou inabalável, e com o nome marcado no hall dos mais importantes homens do Brasil. É incontestável a força popular de Lula.
O que esperar do governo Dilma? Os potenciais sucessores saíram manchados pós mensalão, restou acreditar na mulher que esteva ao lado do presidente em todo o governo, mesmo sem a devida experiência em cargos eletivos, pode fazer um continuísmo interessante do atual governo, isso se percebe fácil pela montagem de seu ministério, com o devido dedo de Lula. Se conseguirá a habilidade do chefe para tratar com nobres e plebe, eis a questão.

GOIÁS:

O governador Alcides, longe da popularidade de Lula, deixa o cargo sem apego popular, mas com as contas do estado em melhor posição do que anos atrás. Com a impossibilidade da reeleição, foi um oxigênio para se trabalhar pela re-organização do estado.
Vale destacar o bom trato com a imprensa, a boa articulação com o governo federal. De ruim fica a participação do secretariado, ausência de reuniões e funcionalismo sofrendo com os cortes. Publicidade foi fraca, o que pode não ser ruim, muitas obras paradas, e a explicação era uma só: pagar as contas herdadas.
A fraqueza do governo era sentida especialmente na Assembléia legislativa, mesmo com poucos opositores de destaque, era difícil o bom diálogo entra a casa e o Palácio. No final o golpe duro do empréstimo da CELG barrado em votação enfraqueceu mais o governo, que não estava ao lado das duas maiores forças do estado, e conseqüentemente não conseguiu usar a influência para continuarem com seu grupo político, em maioria rachado.
O que esperar do próximo governador? Ele já é muito conhecido, impõe modernidade, mesmo depois de 12 anos em cargos majoritários. Tinha mais 4 anos no senado, a vice-presidência da casa, mas as portas estavam abertas pra voltar ao governo, o que astutamente fez.
A formação do secretariado foi um tanto esperada, muitos nomes que o acompanharam firmemente nos últimos anos. A surpresa maior ficou por conta do deputado federal eleito pelo PMDB, Thiago Peixoto ter sido convidado, e aceitado o cargo de secretário da Educação. Era a bandeira que o deputado mais atuava, porém, vindo do maior inimigo político, o convite surpreende, e abre margem para se perceber a boa jogada de Marconi ao trazer para o seu lado o talvez maior potencial adversário político em um futuro próximo.

GOIÂNIA:

Na prefeitura, mesmo sem sucessão eleitoral, também muitas mudanças. Desde abril o vice petista Paulo Garcia já assumia o cargo para suprir Iris que teimou em disputar o governo, o partido saiu fortalecido, e o prefeito foi impondo sua gestão para tocar obras como o antecessor, e abrir diálogo com a população. Destaque para o uso do twitter, onde em várias noites o prefeito respondia e dava satisfação aos internautas sobre as questões do município.
Em uma discreta mudança no secretariado, Paulo conseguiu reunir adversários visando 2012. Várias articulações, tanto no âmbito municipal como no estadual, já preparam o caminho para as próximas eleições. Política é isso. Cabe à população participar cobrando, para que não tenhamos tantos desgostos como nos últimos anos.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

O natal de Jesus

"Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz." Isaías 9:6.


Essa palavra do profeta Isaías, muitos anos antes de Jesus de fato nascer, ilustra o real significado e importância do nascimento de Jesus. Os evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas relatam com riqueza de detalhes a vinda do filho de Deus, que estava determinada desde a fundação do mundo, e iria dividir o calendário, ramificar as crenças e mudar a vida de milhares através da fé.

É preocupante que essa história fantástica, que nada mais é que a maior prova de amor do mundo (João 15:13), seja tão negligenciada na nossa sociedade. O consumismo, aquecido por uma cultura de confraternizações, que movimentam o comércio mais que em qualquer outra época do ano, o simbolismo na figura de papai Noel, árvores de natal, dentre outras, resultam em uma febre que enaltece a festança, regada a muita comida, bebida e presentes.

Tudo isso é divertido, alegra os corações, aproximam as pessoas, mas nada disso é mais importante que o que de fato é a razão dessa data. Não foi no dia 25 de dezembro, mas vale o registro pra nos lembrar de quem tanto nos amou, e nosso Deus que se fez homem e entre nós habitou (João 1:14), veio da maneira mais humilde possível, sem o reino e o luxo que lhe eram de direito, para deixar o legado da conduta, e dos frutos do espírito (Gálatas 5:22).

Nessa data, vale estar junto de quem se ama, mas principalmente, aproximar-se Daquele que mais nos amou. Um amor sem interesses, de entrega total, e provado na figura de Jesus Cristo, o Filho de Deus, que nos dá acesso livre ao Pai e nos entrega a alcunha de pequenos cristos (cristãos) e dá-lhe o lugar principal em 25 de dezembro, assim como em todos os dias (Efésios 2:13).

Um feliz natal pra todos, e acima de tudo, que Jesus seja o centro das suas comemorações!

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

A viagem do Peregrino da Alvorada




O terceiro filme da série "Crônicas de Nárnia", de C. S. Lewis, depois de um longo período de espera, em que teve mudança no estúdio que realizava as filmagens, era a Disney, que desistiu do projeto e passou a ser a FOX, finalmente estreou em vários países do mundo a continuação da saga dos irmãos Penvensi e do leão Aslam.

O filme se passa na maior parte em alto mar, e em ilhas longínquas, onde Edmundo e Lúcia ajudarão mais uma vez o agora rei Cáspian, e dessa vez sem a companhia de Pedro e Susana, que não podem voltar mais pra Nárnia. Com eles um primo inconveniente, que passará fortes emoções na viagem. um universo desconhecido aguardam os aventureiros, que terão que enfrentar mais que inimigos concretos e previsíveis.

Assim como o primeiro da série, a nova adaptação aborda constantemente valores humanos, e princípios cristãos. Um dos mais explorados são as tentações, a cobiça pelo ter, seja riqueza, pela beleza, e por valores inerentes a nossa sociedade. Essa luta interna contra fraquezas da carne vivenciada pelos personagens, remete a vários ensinos bíblicos, não são re-leituras de passagens da Bíblia, mas reforços contextualizados para o que aprendemos com o Livro Sagrado.

A mudança interior de uma pessoa também é tratada por etapas, um grau de aceitação difícil, mas que se torna uma necessidade, e desperta um sentimento novo. Os valores de família também ficam evidenciados, e pautam o mergulho nas aventuras da obra.

Para as crianças, mais que um grande entretenimento, as lições de formação do caráter são bastante exploradas no filme. Mesmo com figuras por vezes longe do universo infantil, a beleza estética, e principalmente os ensinamentos de toda a história fazem ser um grande programa para a garotada. Mas não só pra eles, claro!

Não vá esperando uma enxurrada de efeitos especiais, guerras e música épica-triunfante. apesar da beleza da fotografia, iluminação e da tecnologia moderadas, porém sempre presente, o que realmente fica marcado é o conteúdo da história. Não é preciso fazer maravilhas visuais, tendo uma riqueza de detalhes como A viagem do Peregrino da Alvorada.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

WikiLeaks


A maior pauta que fere a liberdade de imprensa, e de transparência do que acontece nos órgãos públicos dos últimos tempos foi a investida do governo americano contra o serviço denunciativo do WikiLeaks. Será que o apoio do presidente Lula pode até levar a um acidente diplomático?

Um site de vazamento de documentos secretos não poderia ficar no ostracismo, e nem ser abafado por qualquer autoridade política que seja. Os limites de uma segurança nacional esbarram na utilidade pública que o site faz ao revelar documentos que encoberta ações reprovadas pela maioria da sociedade.

O arquivo é muito amplo, com mais de um milhão de documentos, dentre os quais se destacam o manual da prisão de Guantánamo até o estupim que causou a confusão atual: Um vídeo de 2007 que mostra um helicóptero americano atirando no Iraque, episódio que custou a vida, além de vários iraquianos, de dois correspondentes da Agência de notícias Reuters, a maior do mundo.

É claro que essas revelações desagradam em cheio governos que querem esconder isso e prosseguir em várias ações secretas que mantenham seu poder sem desaprovação popular. A perseguição a esse importante veículo de transparência. As medidas preventivas para mais segurança com os documentos oficiais tem o lado bom de evitar investidas perigosas aos civis por inimigos políticos, e o lado ruim de esconder decisões e ações que afetam a todos.

Até o candidato derrotado a presidência da República, José Serra, prometeu o que não deveria na campanha: revogar a decisão do Congresso sobre o marco de exploração do pré-sal, gerando insatisfeitos de lá e impotentes de cá.

Se você quer que o WikiLeaks permaneça ativo, participe do abaixo-assinado: http://www.avaaz.org/po/wikileaks_petition/?slideshow

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Derrotas


Uma das coisas mais difíceis que o ser humano enfrenta é a derrota. Perder é um misto de sentimentos que começam com a dor, tristeza, baixa estima, levam à reflexão, o despertar para uma dura realidade, e com muita determinação e força de vontade, se deve levantar a cabeça e começar tudo de novo.

Tudo isso podemos tirar tanto de fatos determinantes da vida pessoal, como de um jogo de futebol. Quando seu time do coração chega em um lugar que nunca chegou, carrega toda uma história de lutas, menosprezo, dificuldades, e quando parece estar no olímpo, naquele momento de compensar tudo o que passou, a queda pode jogar pra baixo de todos os degraus que lentamente subiu, as vitórias que bravamente conquistou em uma caminhada em que a grande maioria não acreditava, e cada vez mais se chegava longe, e começava a idealizar uma realidade até então muito distante.

Não importa o quando as pessoas em sua volta dificultaram o seu sucesso, elas podem ter apenas trabalhado em cima dos seus pontos fracos, aquilo que você precisa melhorar, e não te deu condições de atingir plenamente seu objetivo.

Não quero escrever aqui um texto de auto-ajuda, nem de melancolia, mas apenas pensar em quão pequenos somos, como seres humanos, como instituições, das mais diversas vertentes e funções, e quão pequenos podemos continuar a ser, se ficarmos dependentes de um tratamento digno vindo de terceiros,o resulltado pode ser cada vez mais se afundar nas decepções.

O gosto mais amargo de uma não-conquista é saber que quem poderia te ajudar, ou quem precisava ser ético, agir profissionalmente, e acima de tudo, respeitar o seu trabalho não vez seu papel, e contribuiu determinantemente para que a sua competência não fosse suficiente. Mesmo podendo ter feito mais, você infelizmente esperava mais também dos outros.

Quem conhece todo o contexto em que passou o Goiás Esporte Clube até a noite dessa quarta-feira, 8 de dezembro de 2010, sabe bem que muito se aplica ao que falei. A falta de sensibilidade, o golpe baixo, a inveja, indiferença, e tudo o que sai de uma disputa sadia, derrubaram o que seria uma grande conquista, inclusive favoráveis a vários dos que o prejudicaram. Não dá pra contar com a seriedade de quem tem mal caráter, e não sabe valorizar a glória alheia. No futebol cada vez mais os interesses, sejam legítimos ou não, estão acima da conduta isenta e séria de quem era pra apenas fazer seu trabalho.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Depois da tempestade, a bonança


Hoje o Goiás Esporte Clube pode entrar pra história conseguindo seu primeiro título internacional. Quando a bola rolar em em Avellaneda, na Argentina, o verdão terá 90 minutos e dois gols na frente para segurar a vantagem e conseguir o caneco que o Centro-Oeste do país nunca viu. Em 67 anos de história, chegou a vez de uma força provinciana ofuscar a hegemonia de cariocas, paulistas, mineiros e gaúchos.

A catimba argentina é impressionante, fazem o possível e o impossível pra desestabilizar os goianos. Uma vigília em frente ao hotel da concentração do Goiás tomou conta da madrugada toda com rojões, foguetórios, bateria e tudo o que pudesse ser feito pra atrapalhar o descanso. Fazer isso por pouco tempo é rotineiro, mas a noite toda é muita malandragem! E a polícia dos hermanos totalmente negligente com os visitantes.

Outra afronta: Não deixar o time fazer reconhecimento do estádio na véspera do jogo, mesmo amparado por regulamento, é uma coisa pequena, mas que mostra a falta de profissionalismo, ética e boa vontade dos argentinos. Parece que a torcida reflete nos dirigentes a paixonite aguda que passa por cima do respeito.

Isso não é tudo que o Goiás tem que enfrentar, como tanto já bati na tecla aqui, o descaso da imprensa nacional faz outro inimigo a ser vencido, é visível a diferença com o trato a nós e aos times do eixo, a cobertura é mínima, já a da imprensa local, ao menos no período que antecede a grande decisão está digna. Destaque para o jornal O Popular, que colocou na capa incentivos de vários torcedores, mais duas páginas inteiras, e da rádio 730 AM, que está fazendo uma jornada de praticamente 24 horas.

Os jogadores esmeraldinos estão com toda a motivação necessária, descansados mesmo com o barulho dos adversários, e sabem que podem apagar em grande estilo um ano em que três competições acabaram de maneira trágica e pequena pelo tamanho do Goiás. O árbitro escalado, Oscar Ruiz, da Colômbia, é um dos mais respeitados do mundo, já falhou com o Goiás na Libertadores de 2006, contra o Estudiantes também da Argentina, mas agora a história é outra, e esperamos faça uma boa arbitragem.

A vitória que se aproxima terá vários sabores, significados e valores para Goiás e o Brasil. É um título muito importante para um clube que nunca escalou degraus tão altos dentro e fora do Brasil. Não tem nada ganho, mas com certeza muita coisa pra se ganhar com a confirmação do título.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Brasileirão



E fez-se um campeão. Depois de 26 anos na fila, vencer o Guarani por 1x0 foi o suficiente para o Fluminense garantir a taça do maior e mais disputado campeonato do país. Nada mais merecido, por ter liderado na maior parte do certame, ter Conca como o jogador de destaque e um técnico que já provou por A mais B sua competência, Muricy não só recusou a Seleção Brasileira, mas acreditou nesse projeto e sai como o maior vitorioso de 2010, e honrou o legado que o mestre Telê Santana lhe deixou.

O campeonato teve suas peculiaridades de sempre, forças como o São Paulo e o Palmeiras negligenciaram um pouco a disputa, também por mal planejamento. A briga pelo rebaixamento e por vaga na Libertadores ficavam no nível da disputa pela taça, cada um com sua prioridade. Méritos para o Atlético-GO que venceu a queda de braço com o Vitória e garantiu a permanência na série A.

O Corinthians fechou melancolicamente o ano do centenário, empatando em 1x1 com os meninos guerreiros do Goiás, em maioria sub-20. Não adiantou centralizar as esperanças em Ronaldo, e ver ele de contundido por seis meses. Pra quem esperava o título até o último minuto, ficar em 3º é um penoso castigo. O Cruzeiro liderou em algumas rodadas, sempre ficou na ponta e recebeu um justo vice-campeonato.

Mas voltando ao campeão, tanto tempo sem título de expressão, uma geração inteira que não comemorou mais que poucos estaduais (como o memorável de 1995, com o famoso gol de barriga de Renato Gaúcho sobre o Flamengo), já era hora de coroar essa torcida vibrante, memorável por colorir o ainda mais expressivo clássico do Brasil (Fla-Flu). Parabéns aos tricolores das laranjeiras, o Brasileirão 2010 sem dúvidas está em boas mãos.

sábado, 4 de dezembro de 2010

Se não pode, Ipod, se pode, Ipad!



Eu quero, tu queres, eles querem... Toda novidade da indústria tecnológica trás uma debandada para se ter primeiro, principalmente quando vem recheada de um bom marketing, e de promessas miraculosas pra facilitar nossa vida, e por outro lado, cumprir a velha máxima: "Resolver problemas que não existiam antes dela."

A chegada do Ipad aqui no Brasil não veio sem muito barulho, curiosidade e fascínio. E não sem aquela facada tradicional, já comum nas chegadas em terras brasileiras, dessa vez liderando o ranking mundial do preço mais salgado: R$ 1.649, na versão Wi-Fi de 16 GB. Na Argentina o preço, em reais abaixa 200, na Inglaterra 500 e nos Estados unidos 700! Logo, a versão brasileira é mais difícil de suportar que dublagem de Herbert Richers!

E com todos esses poréns, no primeiro dia já foi esgotado! Inclusive nas lojas virtuais. A sede do novo conquista amantes automáticos das novas versões dos gigantes da tecnologia, em especial da vinda da Apple. A convergência dos serviços digitais centralizadas em um mesmo aparelho encontram mais e mais espaço para inovarem e conquistarem a massa que não suporta ficar sem a melhor tecnologia de todos os tempos da última semana.

Para saber onde comprar no Brasil: http://www.apple.com/br/ipad/buy/.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Novas sedes dos mundiais

Rússia em 2018, Qatar em 2022. Escolhas democráticas, levando em conta rodízio continental, ou o potencial econômico, explorar novos potenciais mercados pra se ganhar mais e mais dinheiro com o mundo da bola? Tem tudo isso, com certeza!
Ontem a FIFA escolheu as sedes que sucederão a Copa do Brasil em 2014, e mesmo com as forças americanas, levando Clinton, Morgan Freeman, e os ingleses com Beckham e o príncipe Willian, não foram o suficiente pra garantirem a sede, mas os critérios de escolha não foram de oposicionistas aos maiores poderes econômicos de hoje, mas sim optativos aos de amanhã.
Em 2018, até pela atitude ridícula do primeiro-ministro Vladmir Putin, que fez doce pra confirmar a presença, e depois foi pego de calças curtas por ter ganho a sede. Eu preferia a união da Espanha com Portugal, desde o Tratado de Tordesilhas, os dois países não teriam tanta representatividade, o que seria um grande ganho cultural para todo o mundo.
É interessante observar a diferença monumental dos dois países escolhidos. Enquanto um é o maior do mundo, o outro é um dos menores, o primeiro gelado a maior parte do ano, e o outro, com temperatura em média de 50º. Serão dois extremos inusitados, mas relevantes economicamente, é o que esperam os organizadores.
O Qatar em especial, terá um gasto sem proporções parecidas em nenhuma outra competição global. A estrutura do estádio pra climatização adequada já será um feito caríssimo. Mas os sheiks e suas reservas de petróleo e gás natural se garantem! Mas que terá um impacto gigante no país, nem tenho dúvidas, o desafio de não produzir elefantes brancos, e sim arenas multi-uso, que sirvam bem a população do próprio país continuam pautando todas as sedes dos mundiais de futebol e de jogos olímpicos.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Meio caminho andado



É difícil descrever a noite de ontem sem ser 100% emoção. Ver o Serra Dourada completamente lotado, todo colorido de verde, com o povo cantando os 90 minutos, depois de uma temporada mesquinha, sem título nenhum dentre os que sempre disputamos, um rebaixamento para coroar tanta incompetência acumulada, e de repente, ao apagar das luzes, estamos a um passo de conquistar o primeiro título internacional.
Claro que a euforia por um bom resultado no primeiro jogo na final não reflete diretamente na preocupação que precisa se ter na derradeira partida, onde enfrentaremos um alçapão argentino do time que mais ganhou competições dessas, mas que ultimamente só vive mesmo do passado.
No jogo em si, o primeiro tempo foi muito bom, o Goiás partindo pra cima, buscando o gol até conseguir achar, o primeiro com o oportunismo do matador He-Man, vulgo Rafael Moura, e o segundo com o renegado Otacílio Neto, que entrou no lugar de Felipe que não vinha jogando nada, e deixou o dele. O meio campo do Goiás, com Marcelo Costa armando bem o time, e Carlos Alberto um leão em campo. Marcão e Tolói resguardaram bem a defesa.
O segundo tempo foi de pressão dos argentinos, e uma visível queda de rendimento dos dois times. Com um a mais, o Goiás ainda levava sufoco, com Saci e Ernando pouco produzindo, como se tivesse 9 em campo. Mas tiveram garra pra administrar o resultado, esbarrando na própria incompetência do Independiente. Vale destacar a torcida dos hermanos, mesmo sendo somente cento e poucos contra 40.000, fizeram um barulho imenso, cantando o jogo todo, amostra grátis do que o Goiás enfrentará na Argentina.
Agora, destacando novamente o papel da imprensa nacional nesse jogo, pra resumir em uma palavra: vergonhosa. Os principais noticiários destacando o jogo do Fluminense de domingo, a fila de torcedores pra comprar ingresso pra um jogo que faltam 4 dias! Matérias frias, reprises das locais sobre o confronto no Serra Dourada. Segundo me falaram, a Globo teve a capacidade de passar "Duro de Matar 4" pra Goiânia. O filme desperta meus "instintos mais primitivos" para com o tratamento pífio da mídia nacional com o verde.
Não tem nada ganho, pé no chão acima de tudo, o Goiás tem grandes condições de conquistar o título, e coroar um ano que até poucos dias atrás, era pra se esquecer.


quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Manifesto

Poucas semanas atrás, uma manifestação escrita do pastor Augustus Nicodemos, chanceler na Universidade Presbiteriana Mackenzie, publicada e repassada com intensidade na web, causou grande rebuliço em toda a sociedade brasileira, fator motivado por uma classe que se sentiu ofendida na opinião da carta aberta de Nicodemos, que mostrava simplesmente o posicionamento do mesmo, compartilhado em geral pela Igreja Presbiteriana do Brasil.

A PLC 122/06, em votação no Congresso Nacional, se denomina como lei anti-homofobia, e propõe punições à toda manifestação contrária ao homossexualismo. De uns anos pra cá, cada vez mais somos pautados por discussões em relação ao preconceito, mas como separar a barreira da discriminação com a da opinião contrária ao comportamento homossexual? Um desafio imenso para a nossa sociedade.

A opinião expressa na carta,leva como embasamento a Bíblia Sagrada. O documento mais antigo, vendido, lido e respeitado do mundo, nela há posições claras contra o comportamento do homossexualismo, não contra a pessoa homossexual. E por todos esses anos igreja a coloca como regra de fé e prática, como poderia agora, em um país democrático, ser obrigada a não se posicionar sobre a questão, tendo garantido na própria Constituição Federal o direito livre ao culto?

As represálias contra a Universidade, feitas por grupos ligados à causa em questão, mostram o perigo de se tocar nessa ferida. E da falta de tato de alguns segmentos da chamada luta pela diversidade. Manifesto com indicativo de violência usa de mesmos artifícios que já sofreram historicamente os idealistas dessa classe.

Quero com isso salientar que o direito a opinião não pode ser renegado a uma mudança pós-moderna que exigiria aceitação imposta a algo que mesmo existindo desde os primeiros tempos da humanidade, nunca foi um padrão comum de formação de família e de comportamento social. Ver um relacionamento homossexual explícito publicamente ainda vai de confronto à maioria das pessoas, e isso não vai ser mudado com uma lei.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Pacaembuzaço



O futebol ainda vale a pena porque proporciona emoção que nenhum outro esporte ou ocupação social promove. E isso acontece principalmente quando a famosa "zebra" quebra a expectativa de um resultado provável. E foi o que presenciamos na noite do dia 24 de novembro de 2010, mais precisamente no tradicional estádio paulista do Pacaembu.
O Goiás vinha encerrando uma temporada que todos os que se envolvem emocionalmente e profissionalmente com o clube queriam esquecer, depois de ficar fora da final do campeonato estadual, não passar da segunda fase da Copa do Brasil, e o pior: o rebaixamento para a série B do Campeonato Brasileiro, sem dúvida o maior castigo para o que foi por tantos anos o único representante de Goiás na elite do futebol brasileiro. Mas o ano ainda não havia acabado.
A Copa Sul-Americana sempre foi a competição patinho-feio dos torneios internacionais. Ganhou mais expressão quando passou a valer uma vaga na Libertadores da América, e também um caminho viável pra quem disputa um Brasileirão com segurança, mesmo sem figurar entre os primeiros, classifica-se e tem a chance de disputar com grandes times da América Latina a taça e de quebra uma boa premiação.
Mas voltando ao que aconteceu na data citada acima, o maior adversário que o Goiás enfrentou não foi o Palmeiras, mas sim a impresa paulista e carioca, que elevavam o verde paulista como o legítimo representante brasileiro no confronto, promovendo chamadas direcionada apenas à eles, esquecendo que o Brasil é muito maior que essa própria arrogância deles. Existe futebol além do eixo Rio-São Paulo, e a lição ficou bem clara no duelo alvi-verde.
O time do Goiás é limitadíssimo, mas lá tinham jogadores que queriam dar o sangue para fechar o ano com um alento a tudo o que passaram. Destaque para Rafael Moura (He-Man), Rafael Tolói, Marcelo Costa e Carlos Alberto e do técnico coopeiro Arthur Neto. Em 2010 mudou-se a direção (a virtual), técnico de nome que afundou o time, além de pegar uma bolada na justiça, técnico sem nome que afundou mais ainda, e novato cheio de vontade que não fez o suficiente. Um elenco desmotivado, com jogadores que perderam chances de grandes negociações, e fizeram corpo mole na maior parte da temporada. Mas ainda tinham guerreiros capaz de lutar contra tudo isso, e dar esperança a uma torcida que tanto sofreu esse ano.
Tudo tem que ser mais difícil se tratando de Goiás, assim foi cada etapa, empatando com o Grêmio aqui e vencendo lá no Olímpico, ganhando do tradicional Penharol aqui por 1x0 e perdendo lá no Uruguai por 3x2, e empatando com o Avaí em casa por 2x2 e ganhando em Floripa por 1x0. Tudo mais difícil, tudo mais saboroso. Com o Palmeiras não foi diferente, após a derrota no Serra por 1x0, a maioria esmagadora da imprensa apontava o Palmeiras como já classificado. Esqueceram que estavam falando de futebol, o esporte mais imprevisível que existe, onde "oba-oba" e "já ganhou" muitas vezes acabam em tragédia.
Ver aquele estádio lotado, e com incômodo silêncio, comentaristas procurando irregularidades onde não existiu, tudo isso faz uma vitória ser mais saborosa. Ainda não foi o último passo, tem a final pela frente contra um poderoso adversário argentino ou equatoriano. Mas com certeza, só essa noite já lavou a alma de todos os esmeraldinos ao redor do mundo.
Vila e Atlético lutam para não cair pra série C e B respectivamente, e salvar um pouco o ano do futebol goiano, que tanto precisa de reformulação na mentalidade de seus dirigentes, do apoio do torcedor, da seriedade da imprensa e de mostrar pra todo o Brasil, como o Goiás fez no Pacaembu, que aqui existem três forças que precisam ser respeitadas, já nos tiraram a sede da Copa de 2014, não podem tirar também nossa relevância no futebol brasileiro.

Ps: O título do artigo remete à fatídica final de Brasil x Uruguai em 1950, quando o Maracanã se calou diante da vitória da celeste. Episódio que ficou conhecido como Maracanazo. Na nova versão, o Goiás calou novamente torcida e imprensa, e mostrou que o futebol é "uma caixinha de surpresas", e o jogo "só acaba quando termina."

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

ENEM: Nossa Educação precisa dele!

Não fiz o ENEM, na minha época parecia de pouca importância, ele já até servia de nota pra entrar em algumas faculdades, as quais não me interessavam. Como era optativo, os estudantes sem muito afinco acadêmico não iam atrás de gastar uma tarde (olha que era só uma) reproduzindo seus conhecimentos de forma não convencional . Se fosse obrigatório era outra história, mas imagina se hoje fosse opcional, já com as confusões que aconteceram nas últimas edições.

Mesmo pulando essa etapa, e com os problemas que o exame teve, ainda vejo que é fundamental se fortalecer o ENEM e se mudar de uma vez as formas de verificação de conteúdo dos estudantes. O decoreba não é mais coerente há muito tempo, com tanta informação chegando nas jovens mentes em formação, brigar pra enfiar conteúdos rígidos não acompanha o processo de compreensão necessário para o raciocínio abrangente que os dias de hoje exige.

Claro que nosso ensino no Brasil ainda de ter estruturas adequadas para servir bem aos alunos, porém, para remediar o que já não se pode prevenir, estimular as crianças desde cedo a serem críticas e flexíveis em diversas correntes de conhecimento é mais válido que a velha tabuada decorada e as inúmeras nomenclaturas, que só viram nomes sem importância em um futuro próximo.

Tanto ano passado como nesse ano, os problemas foram técnicos, erros na elaboração que comprometeram o resultado de um modelo se consolida, e de métodos que podem ser considerados defasados na educação atual. Foram passos atrás dados para uma importante transição entre o tradicional e o moderno jeito de se avaliar e formar um cidadão.

Mais que piadinhas de trocadilho ENEM/ANEM, precisamos pautar a discussão da reforma educacional, de investimentos que não sejam promessas absurdas de campanha como dar um netbook para cada aluno de escola pública, se não melhorar o ambiente de estudo e a bagagem de conhecimento, continuaremos a ter profissionais com déficit profundo em sua formação, preparados para apenas reproduzirem o que outrora decoraram, e não analisarem com perspectiva ampla as vertentes necessárias para um pensamento moderno e embasado.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Censura

Me contive por vários dias para não escrever sobre isso, mas com um repercussão deste tamanho, e com fatos novos motivados por esse cenário, não dá pra deixar de refletir aqui sobre as colocações usadas sobre o tema censura na reta final do processo eleitoral de Goiás. E nada pior que explodir a bomba no ninho da imprensa, o melhor jeito de confundir o eleitor.
Como o Brasil e vários lugares do mundo viram Paulo Beringhs, folclórico jornalista goiano, que eu cresci vendo na telinha, e pensando que um dia poderia trabalhar com ele, ou apresentar um jornal como ele. Muitos anos depois, mudo o pensamento, após o que vi uma semana atrás, na quarta-feira, 20 de outubro de 2010, quando peguei o final do jornal Brasil Central para assistir e me deparei com a parte do vídeo que milhares de pessoas viram no youtube, a ficha demorou a cair. Estava presenciando uma auto-demissão ao vivo, mas não em nome da dignidade, mas do partidarismo e calor eleitoral que muda a cabeça de muitas pessoas, jogam ética e profissionalismo no ralo, mesmo quando tentam maquiar de várias formas.
Mas não quero me prender nesse assunto, o que foi feito está feito, e ainda vai passar muita água em baixo dessa ponte. Mas o fato desmembrou duas questões peculiares, uma positiva: a discussão sobre a TV pública no Brasil, e a outra totalmente antiquada e prepotente: a ação pela censura ao twitter promovida pelo PSDB goiano.
Quanto a primeira, realmente o controle do Estado em um veículo de televisão deve estar acima de qualquer espaço privilegiado para determinado grupo político ou social. A educação deve ser prioridade, tanto em programas infantis, como nos outros segmentos informativos. A TV Cultura luta por esse modelo, mas escorrega em alguns pontos em que a TV Brasil, a Sesc TV e o Futura acertam mais. É uma pauta importante, defendida pelo professor Luiz Signates (UFG/PUC-GO), que promoverá esse debate começando no sábado, 30, às 9h00 na Rádio Universitária.
A outra repercussão maior, foi motivada pela ação encabeçada pelo deputado tucano Daniel Goulart, que encaminhou à Polícia Federal representação contra supostos panfletos apócrifos ao candidato Marconi Perillo, e de perfis no twitter atacando o mesmo. Fiquei impressionado com essa atitude, vinda de um grupo com o passado e o presente de tantas repressões contra a liberdade de imprensa, de uso indiscriminado de materiais ofensivos aos outros candidatos, além de ataques virtuais, principalmente via twitter nessas mesmas eleições, formaram um exército digital, de inúmeros perfis fakes e reais remunerados, que anunciavam a renúncia de candidaturas que se mantinham firmes, além de criarem factóides diários contra os adversários, que por vezes vendiam a imagem ao eleitor de inimigos.
Nessa verdadeira guerra eleitoral, Vanderlan Cardoso (Alcides Rodrigues e Jorcelino Braga) e Marta Jane foram os mais atingidos, a arma mais usada foi o Diário da Manhã, em intervenção pelo PSDB, e manchando a história de luta na imprensa de Batista Custódio. A artilharia contra Iris sobrou só para o segundo turno. Se plantar que o PMDB tem tradição de censurar a imprensa goiana, sendo Marconi o político que mais processou jornalistas em Goiás, é uma contradição imensa.
Essa foi a realidade que vi nesses meses de pré-campanha e campanha oficial. Outros grupos também usaram de armas imorais, mas não dessa proporção, com essa estrutura de campanha. O twitter foi o espaço mais democrático que se abriu nesse processo eleitoral. Essa voz não pode ser calada, o que fez ela ser usada para mais ataques. Agora a tentativa de se abortar o uso desse espaço é uma atitude irracional e de graves conseqüências. Com a chegada ao poder de gente com essa mentalidade, a instabilidade do campo de idéias digital pode ter proporções perigosas.
Por esses e outras, Paulo Beringhs não é um cara peitando um sistema em nome de um afronta à liberdade, ele é um partidário, filiado, amigo pessoal e media training de Perillo nessas eleições. O candidato dele teve espaço como nunca em seu programa, e isso não era motivo para se chutar o balde daquele jeito. Se esse senhor entrar efetivamente no governo caso Marconi ganhe, veremos o tamanho da sua dignidade. Assim como de vários jornalistas e outros profissionais que desceram ao mais baixo nível nessas eleições para conseqüentemente afrontar quem estivesse do outro lado.
As eleições finalmente estão chegando, e a contabilidade de feridos nesse processo não será conhecida por um bom tempo. Os dois maiores figurões da política regional em um confronto de revanchismo, não deixa pedra sobre pedra ao fim do processo. A decisão do dia 31 vai esclarecer aos poucos muito do que falei, outras coisas ficarão para sempre ocultas, no estilo DOPS de ser.
O maior perseguido em terras goianas, Jorge Kajuru, diz que no Brasil não existe liberdade de imprensa, mas sim liberdade de empresa. O problema maior é quando a imprensa está controlada pelas empresas ligadas ao poderio político.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Mudanças


Espera, lacuna, ansiedade, expectativa
Existe momentos em que podemos pular essa parte?
Entrar em uma zona de conforto, estabilidade
Mas são inevitáveis, parte da vida;

Olhos cansados, das várias madrugadas viradas
Um sonho que pode ficar mais distante
Árduas barreiras a serem ultrapassadas
Segundos decisivos e força pra seguir adiante;

Otimizar as conquistas, viver para frente
Caminhos e escolhas, promessas e conquistas
Chances de crescer e ser melhor gente;

Hora de encerrar, recomeçar e proceder
Entender a vontade de Deus e fazer escolhas
Coragem pra mudar, fé para vencer!


terça-feira, 12 de outubro de 2010

SWU 3º dia


O último dia do festival que ousou aliar música e sustentabilidade, teve uma seleção de bandas eletrizantes, e com os problemas dos outros dias. Logo na entrada, um grande aglomerado nas bilheterias, como não tinha acontecido antes, mais de uma hora até passar nas duas catracas e ser revistado. Até que a galera segurou a barra bem, mais um ponto negativo para a organização. Após esse atraso, entrei e me deparei com o show que mais me despertava atenção no palco alternativo da Oi, o trio Autoramas mereceria estar no principais, mas desceu o som lá na tenda e divertiu muito os presentes com o rock performático e temático da banda. Perdi várias bandas do início, inclusive o Glória que queria muito ver, só deu pra pegar finalzinho do Yo la Tengo, parecia bem irreverente, altas viagens dos membros enquanto tocavam as últimas músicas. Aí logo cederam espaço para o que seria o Sepultura das origens. Iggor e Max Cavalera subiram ao palco brazuca depois de quase 15 anos, e mandaram o som novo do Cavalera Conspiracy, e claro, relembrando as pérolas da banda antiga. Era visível a alegria de Max, que empolgado incentivava altas rodas de hard core, que, claro, rolou em todo o show. Depois com a grande expectativa de ver o mostro sagrado das baquetas Mike Portnoy tocando com o Avange Sevenfoald. A banda também tem luz própria, e ver Mike tocando em um kit menos, com músicas mais curtas que o habitual foi simplesmente incrível. Depois entrou em cena o Icubus, que provou que não é banda de um sucesso só. Desfilou uma sequência de hits e deixou sua marca segurando a grande sequência de bandas power que viria.
Depois de uma pausa meio tensa por problemas técnicos, finalmente entrou Queen of the Stone Age fez um show fenomenal, não deixou ninguém parado, foi empolgante do início ao fim, e os membros da banda passavam isso de todas as formas. Foi estupefante! Ainda tinha que segurar um gás pro show do Pixes, que fez tiozão pirar de saudade nos anos 80, e a galera nova se esbaldar com o som vigoroso da banda. Black Francis nem falava com o público, missão que deixou pra baxistaKim Deal que volta e meia dava trela, deixando o ambiente bem descontraído.
O último suspiro de energia foi pra febre dos anos 90 Linkin Park. Pra mim, foi bom pra lembrar de boa fases da época, e nada mais. Não consigo curtir o vocal, e o show cheio de recursos eletrônicos substituindo a pegada orgânica não empolgavam tanto quem não curte de fato a banda, o cenário e as imagens eram um ponto forte, mas é claro que eles tem um repertório de responsa, e puderam levar muitos à loucura, fazendo a noite fria dar uma esquentada e deixar aquele gosto de despedida desses três dias alucinantes. Pra quem ainda tinha pique (ou fingia que tinha), ainda ficou no palco que virou pista de dança e ver o DJ Tiesto comandar a galera, nessa altura a cerveja e outras coisinhas não tão legais davam a forma pra divertir os doidos que ficavam até o último segundo.
O SWU é difícil de ser resumido, teve muito som bom, a realização de ver muitas bandas incríveis juntas em um só lugar, uma atrás da outra, não é uma oportunidade fácil. Já o conceito o festival esteve lá pra quem conseguir ver as estruturas que remetiam à vida responsável, sem desperdícios. Infelizmente era muito difícil acompanhar isso paralelo com os shows. Foi uma experiência no mínimo interessante, que pode ser melhorada e ampliada em sua essência.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

SWU 2º dia


O segundo dia no SWU deixou clara uma sensação: A coisa fluiu melhor que no primeiro. É claro que erros na estréia são mais naturais, agora a vontade de fazer melhor pode apagar isso, mesmo já sendo tarde para mudar tudo o que deveria.
Os shows começaram mais cedo, na estrada já tinha um congestionamento básico pra quem vinha do rumo da capital, assim perdemos os shows do Ilo Ferreira e do Teatro Mágico, esse devido à fila e revista que para os homens, e com mochila era mais demorado, quando chegamos já estava no palco o Jota Quest, os caras são muito bons de palco sem dúvidas, os músicos são excelentes, com destaque pro baixista PJ, o Rogério Flausino é carismático, mas faltava uma voz mais encorpada. Tiveram problemas com samplers, as programações eletrônicas que soltam junto quando tocam, mas levaram no braço o que precisou, sem prejudicar a performance.
Depois entrou o Capital Inicial, Dinho como sempre achando que é garotão, o repertório dividido em anos 80, Aborto Elétrico e covers, mas está valendo, quem gosta se esbaldou. Depois outra banda entrou e botou a galera pra dançar, relembrando bons momentos dos anos 90, a volta do Sublime, mesmo sem seu vocal original caiu no gosto da galera, showzaço!
Depois entrou no palco Regina Spektor. Achei que a moça estava numa fria de subir no palco entre tantas feras, mas seu jeitinho meigo e fofo conquistou a todos, o repertório bem legal alternado momentos piano e voz e com banda, que só eram mais batera, violino e cello. A "fofinha"até cantou tocando piano com uma mão e percussão em uma cadeira com a outra!
Sai a moça de jeito delicado e entra o furacão Joss Stone! Que mulher! Que voz! A banda só da nata da black music, e Joss com aquele vozeirão conquista qualquer um, fez declaração de amor à música, e a rasgação de seda básica pro Brasil, pendurando uma bandeira nossa em seu pedestal.
Depois foi a realização de um sonho, mal acreditava que estava para ver a banda que mais me chamou a atenção em um palco, quando a Dave Matthews Band entrou, o mundo parou, um repertório musculoso, com animações interessantíssimas rolando no telão, e comandados pelo violão e voz de Dave, a banda de músicos extraordinários, fizeram um show pra deixar pra sempre registrado na mente de todos que foram. O batera Carter Bealford tem um swing e uma ambidestria impressionantes, cheio de contra-tempos e fez um solo de deixar todos os 150 mil ou mais presentes estupefados diante de tanta maestria. Acabaram mais cedo que o previsto, e voltaram para deixar outros hits e marcar o que sem dúvidas foi o melhor show do festival (sem dúvidas para um fã incondicional! rs).
Pra fechar a noite, Kings of Lion era uma ótima pedida, o que mais chamou a atenção foi o cenário, cheio de canhões com iluminação variada, contrastando com as imagens reproduzidas em preto e branco da banda nos telões. O repertório foi singular do começo ao fim, com alguns ápices mais vigorosos, fechou a noite mais "suave" do festival com chave de ouro.
Depois era aguentar o frio mais um pouco e peregrinar pra estrada pra tomar a condução sem se engarrafar com os milhares que tentavam sair ao mesmo tempo. Ainda é preciso guardar um gás pro último dia que vai ser literalmente: PESADO!

domingo, 10 de outubro de 2010

SWU 1º dia


Difícil descrever o primeiro dia de um festival pioneiro na essência, mas com velhas e calejadas atitudes que não condiziam com a proposta social do evento. Os prós e os contras se cruzam nas mais diversas vertentes do SWU, fazendo que não só a consciência, mas também as mazelas sociais presentes a todo o momento.
Partimos em três carros no início da madrugada, poucas paradas. Já foi um choque na chegada, 11 da manhã quando passamos pra deixar uma amiga que ficaria para o Fórum de debates sociais (ô vontade de estar lá). O congestionamento já dava uma mostra do que seria o caos que nos aguardava a noite, mas ainda foi pior que todos esperavam, nem as entradas separadas para os veículos resolveram, fazendo que o estacionamento ficasse totalmente impraticável.
Chegamos quase 17 horas, após ver rapidamente alguns dos diversos pontos da enorme fazenda, descemos pra áreas do palco a tempo de ver um pouco do show da representante goiana do evento, Black Drawing Chalks. Os caras levantaram a galera com o rock dançante, venderam o peixe da terrinha, com destaque para a faixa no bumbo do Douglas: Guanabara II. Pensa em um bairro bem representado!
Logo depois entrou o Macaco Bong, no mesmo pique levantaram poeira com o som instrumetal vigoroso e puxaram a sardinha pro Mato Grosso. As duas bandas com certeza caíram no gosto da galera, e se consolidam de vez no cenário nacional, independente de grandes mídias e gravadoras.
Infelizmente, por problemas de logística da alimentação, perdi o show do Infectlos Groove, me disseram que foi muito bom. A fila pra pegar fichas atrasou em mais de uma hora, e depois pra pegar a comida não foi diferente, péssima organização, pouquíssima antenão bastassem os preços, muitas vezes o dobro do que se acha normalmente.
Depois voltamos a tempo de ver o Mutantes reviver seus sucessos da época dos nossos pais. Ainda acho que podia chamar Sérgio Dias e banda, mas ver ele o Dinho Leme, os únicos originais se divertindo com uma grande banda de apoio já valeu a pena. Solos psicodélicos e nostalgia total foi o que deu pra pegar no final da apresentação dos loucos meio desligados.
Depois os velhos barbudos estavam de volta, mesmo com um som muito falho no PA, os caras destilaram o repertório eclético e fazendo a multidão cantar do início ao fim. Camelo entrou no palco sendo chamado de pedófilo por alguns, em referência ao seu namoro com Malu Magalhães, muitos anos mais nova que ele, (ela também se apresentou, mas no palco da OI, longe do grande público). Amarante estava bem chapado e Barba e Bruno tranquilos como sempre. Foram os velhos Los Hermanos que conhecemos.
Depois uma surpresa pra muitos, e êxtase para outros, The Mars Volta entrou com tudo, fazendo um som brutal, com um entrosamento impecável, todos músicos virtuosos, com o Tom Morello fazendo a guitarra gritar de todas as formas possíveis. O som estava cristalino, e preparava a multidão pro que viria a seguir.
O Rage Against the Machine fez sua estréia na América Latina, sempre com as famosas rodas de hard core, e em um festival dessa proporção, não podia ser diferente: pintou confusão. Logo na primeira música, todos pulando, que ficasse parado apanhava de todos os lados. Rolou uma briga um pouco atrás, e na frente, quando uma imensa roda abriu pra se bater corpos e cabeças, o esmagamento foi geral, quem estava próximo das grades passou muito apuro, não sei as conseqüências mais sérias, mas não ficou pedra sobre pedra. O show foi várias vezes interrompido, caiu a energia, pedindo pra chegarem pra trás. E pro meu azar, perdi o único tênis que levei no empurra-empurra. Fiquei só com esquerdo, e no final tive que caminhar só com uma sacola por alguns quilômetros no cascalho até a estrada, pra ser possível pegar a van e ir embora sem ficar congestionada por várias horas.
A quantidade de lixo era impressionante, a hora que voltei pra procupar o tênis mal dava pra ver o chão, menos mal que a coleta seletiva estava funcionando bem, com um posto de triagem para se encaminhar à reciclagem. Outras iniciativas como a roda gigante movida a pedaladas, vários monumentos com material reaproveitado davam um visual muito legal.
Outro ponto que não dava pra ver como positivo é o alto consumo de drogas, o número de fumantes de todas as idades é assustador, a maconha rolava solta, em vários pontos em frente aos shows. O frio também pegou muitos de surpresa, e não tinhas lugares que o aliviasse. Não era essa a idéia de festival sustentável que muitos poderiam conceber, mas foi só o primeiro dia.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

De dentro do processo

Vivi uma experiência diferenciada e empolgante trabalhando dentro de uma campanha para o governo do estado. Parecia tudo muito grande para lidar, muitos desafios para vencer, tudo em larga dimensão, e sempre necessitando de um trabalho coletivo que estava muito além de nossas forças individuais, as decisões vinham de cima, e o nosso trabalho se limitava a um tanto, mas sempre fundamental para se fazer a coisa andar. Lidando com a imprensa no dia-a-dia então, sendo que representávamos uma força que era solicitada diariamente, precisava ser ouvida e pautar a imprensa, a séria e a que distorcia em favor de uma outra força.
Muitas coisas acontecem simultaneamente, e as informações chegavam e tinham que ser produzidas para fornecer um bom material e divulgar nosso candidato. A internet era uma força que agregava, e mesmo com um público em maioria de posição definida, através das redes sociais levava ao conhecimento do eleitor as ações e o perfil de quem representávamos. e com certeza fez o diferencial para se levantar novas opções em nossa política. O exemplo de Marina Silva, em um partido pequeno, e foi o fator do segundo turno, e na internet levantou uma legião que foi às urnas e incomodou a polarização que bancava a disputa sozinha até então.
Os limites entre ser um profissional e vestir a camisa com paixão são um grande desafio a ser controlado. Em um ambiente de tamanha disputa, a emoção sempre puxa mais que a razão, mas a busca pelo equilíbrio nos faz ter pés no chão, e colher os resultados que vêm, mesmo não sendo os mais esperados. Quando você representa um candidato que transmite seriedade, humildade e confiança de ser um político diferenciado, que não está ali simplesmente para agregar poder e ter viés econômico, mas para contribuir com a lisura e o êxito de sua vida fora da política, e na experiência de sucesso que já construíu nela, tudo isso torna a missão muito mais prazerosa, e com a convicção de que valeu a pena.
É difícil aguentar ataques contra o seu grupo de trabalho, ver vários factóides sendo plantados sem nenhum nexo, um exército digital batendo de todas as formas, mascarados em formas de falsas personalidades virtuais, plantando na cabeça de quem é menos informado mentiras e colocando uma imagem imaculada de outro candidato, ora vítima, ora pacificador, o que entra em contradição com esse vale tudo doentio pelo poder.
Fica o lado negro de se ver tanto vai e vem de apoios, gente que fez juras de amor eterno e terminou abraçado ao lado de outros. O lado bom foram que mostraram o caráter, ou a falta dele, e varrerem muitos do cenário eletivo, pois negociaram suas candidaturas em trocas de favorecimentos alternativos (cargos no governo, compensação financeira). Isso desanima, mas faz parte do processo de sedução que a política brasileira contrói. Bom é saber, e trabalhar para gente que destoa desse perfil.
A maior vitória é ter chegado até o final tendo enfrentado tantas incertezas, tantas especulações atormentadas, cada dia que seguia em frente era uma conquista, pois para muitos no dia anterior teria ido por água abaixo todo esse projeto. Não cabe aqui citar nomes, mas deixar registrado essa lição de vida, que vivi ao lado de colegas em maioria jovens como eu, recém saídos da universidade, de profissionais que já admirava, o que aumentou na convivência, entrando todos em uma luta de peixes grandes. Tendo chefes otimistas, que não deixavam a peteca cair, e nos motivava a cada dia dar o melhor de nós para o êxito político que seria dividido por todos.
Eu, e penso que muitos, fariam tudo de novo, pois foi um aprendizado e tanto, e uma proposta de mudança ousada, que levou ao conhecimento da maioria da população de Goiás uma nova alternativa de fazer política. É bom colocar a cabeça no travesseiro, e ver que seu trabalho foi em algo que acredita, e que trará dimensões que você nunca vai saber. E que venham as novas experiências!

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Homenagem à Luciano Prais Carneiro


Dor, saudade, tristeza, esperança, lembrança e gratidão. São os sentimentos tomaram conta de mim em 24 horas, após receber a notícia da partida de meu amigo de infância, parceiro de ótimos momentos em nossa igreja, cara que admirava como atleta, como músico, como ser humano e acima de tudo: Como um vencedor. E vencedor não só por ter enfrentado tantas adversidades, mas por mostrar sua fé, otimismo, bom humor e determinação para superar todos os grandes desafios, não importasse quais fossem.
Luciano sempre foi um cara humilde, tratava todos por igual, e tinha um jeito cativante que despertava nos outros uma empatia imediata devido a essa personalidade, e não por qualquer outra coisa.
Com 23 viveu uma vida que muitos com o dobro, o triplo ou quatro vezes essa idade não conseguem aproveitar, cada conquista e aprendizado refletiam em uma alegria ímpar, contagiante, que ele levava a todos que encontrava.
Múltiplos talentos, não bastasse o triatleta exímio, dedicado e cheio de superações que foi, na música também despontava um faro especial, primeiro se destacando com a complexidade do violino, depois o violão, a guitarra, a gaita, dentre outros foram seus parceiros de inspiração e também louvor a Deus.
Como explicar uma alegria de viver dessas, se não por Deus, o Autor da vida, que enviou o Luciano para transmitir seu amor e suas maravilhas em forma de gente, que mesmo falho como todos os outros, tinha uma luz diferenciada, que irradiava os ambientes em que estava.
Ao lado dele, não seria a mesma coisa se não tivessem pais maravilhosos, que abdicavam do que fosse preciso para acompanhar o filho em cada jornada, contornando os próprios problemas de saúde, e lutando juntos em cada desafio, uma irmã que lhe apoiava sempre, uma família super carinhosa, que de diversas partes do Brasil e do mundo manifestavam apreço, uma noiva que esteve com ele em vários momentos e nunca esmureceu, e amigos que de diversas formas manifestavam o carinho e admiração por essa pessoa incrível.
Cada passo da intensa luta que ele deixou dos dois rounds da última guerra que travou estão eternizado em seu blog e quem sabe em outro espaço mais pra frente. Em qualquer momento ler qualquer um de seus posts ensina uma grande lição para cada um de nós, e a maior lição é o amor de Deus por seu filho, que transpareceu em todos os momentos da vida do Luciano, em cada vitória, em cada tribulação e sempre mostrando um ser humano exemplar, e para sempre estará em nossas melhores lembranças.
Saudades de você, amigo, do Léo Duarte, se foram tão jovens, mas sei que cumpriram bem o propósito de suas vidas, e na eternidade nos encontraremos.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Suicídio

Goiânia teve a manhã dessa quinta-feira tumultuada com a notícia da morte de um dos mais bem sucedidos empresários de Goiás, que por muitos anos foi o proprietário de uma das maiores indústrias da indústria farmacêutica do mundo. A hipótese mais provável é de suicídio. Não quero nem citar nome (até porque a grande maioria sabe quem é), mas só refletir um pouco.
Parece que muito dinheiro na maioria das vezes não vem acompanhado de felicidade. No começo pode aparentar, mas logo se paga um preço muito alto, quando se prioriza o que era inviável tempos antes. Até porque quanto mais alto se chega, mais trágico pode ser o tombo. Mas não é bem por aí que quero enfatizar, o mais perplexo em tudo isso, e pensar em como se chega a uma situação extrema de tirar a própria vida.
O que se passa na cabeça de uma pessoa que comete suicídio? Ela não tem gente o suficiente para amar e ser amada? Será que passa o famoso "filme na" da pessoa? Mas se passa esse filme, nele não tem cenas boas o suficiente para se repensar a intenção de dar fim à própria vida?
Infelizmente conheci diversas pessoas que chegaram ao fim por vontade própria, a maioria jovens, talentosos, com muitos amigos (ou não), e com muito o que contribuir,
um guitarrista exímio que acabara de se formar em música na UFG e atirou-se de uma ponte no Setor Novo Horizonte em Goiânia, um jovem que tinha ótimo trabalho com os surdos, e com teatro e se jogou de um edifício comercial no centro da cidade, só pra citar dois, e não ficar mais complexo com isso tudo.
Deus nos deu a vida de presente, nela temos esse mundo para habitar, usufruir de tantas coisas boas, mas um coração triste, a falta de esperança, de perspectiva de vida, pode ser o caminho para uma atitude sem volta.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Ele fará falta!


Me pegou de surpresa, assim como para todos os fãs, a notícia da saída do batera Mike Portnoy, após 25 anos, da banda em que fundou e fez história no rock progressivo mundial, o Dream Theater. O cara cuidava de todos os processos da banda, era visível a influência que ele exercia no resultado final, assim como o guitarrista John Petrucci.
Mike influencia em todos esses anos uma legião de bateristas, ávidos por verem a fera sentar no seu mostruoso kit (que são 2 ou 3 em um), e tocar os longos temas da banda, cheios de virtuosismo, pegada forte, velocidade, e muito rock'n roll!
Em nota no seu Facebook, o batera disse: “Vou escrever algo que eu nunca imaginei que escreveria: depois de 25 anos, decidi deixar o Dream Theater, a banda que eu fundei, liderei e amei por um quarto de século”, em seguida justificou que queria dar um hiato na banda, depois de todos esses anos precisava recarregar as baterias por um tempo tocando outros projetos, como o Avenged Sevenfold (que ele defendeu que não foi o motivo da saída. Como os outros integrantes não concordaram com essa pausa, o resultado foi a saída inesperada de Pornoy.
Músicas como Instrument Medley, Metropolis, As I am, Overture e tantas outras marcaram época com as baquetas desse gênio. É muito difícil pensar em substituto para Mike, o que ele fez ninguém fará, parece que a banda perde o sentido sem sua presença, mas fazer o quê? É parte do showbizz, integrantes, sendo fundadores ou não, líderes ou coadjunvantes sempre vem e vão. Resta esperar que Portnoy de um lado e o Dream Theater do outro continuem fazendo o que sempre fizeram de melhor juntos: Música de alto nível.

sábado, 4 de setembro de 2010

S.O.S Cerrado!


Minha ausência no meu blog que tanto gosto me deixa triste, mas infelizmente passamos por momentos que não podemos controlar o tempo dando espaço para as coisas que gostamos. Mas bem ou mal, vamos escrevendo quando sobrar um tempinho.
Das coisas que andam tem me deixado bastante preocupado, o clima seco agravante que tem passado o nosso bioma é alarmante. Focos de queimada aumentando cada dia mais, o cerrado já está mais devastado que a Floresta Amazônica, quando viajo vejo tanto verde virando pó, é triste, muito triste.
De lembrar as riquezas de nossa terra, nosso verde esperança que agrange recantos fantásticos como a Chapada dos Veadeiros, o Pico dos Pirineus, o Salto Corumbá, o Parque Nacional das Emas, que dia após dia se transformam em áreas consumidas pelo fogo cruel que sufoca o nosso ar e acaba com a pureza do ar e das visões que outrora podíamos contemplar.
Um cidadão (sem civilidade) que tem uma atitude de jogar uma bitoca de cigarro em cima de uma vegetação, é um elemento da pior espécie. Jogar latas, tantos elementos que podem super-aquecer e provocar um fogo que consome a nossa fauna e flora de maneira implacável é um desserviço para o meio ambiente e todos nós.
Nosso cerrado não é mais o mesmo, até dentro da cidade, uma árvore que existe antes de Goiânia, a formosa gameleira que fica na Av. Paranaíba, está sendo sacrificada, graças à vândalos que atearam fogo nela. Isso mexe com a gente, que cresceu vendo aquela árvore ocupar toda uma calçada e invadir a rua (na verdade, a rua que invadiu o espaço dela). Dói só de passar no local e ver um isolamento da prefeitura e uma operação para derrubá-la.
Muitas ações de mudas plantadas são feitas para compensar emissão de gases poluentes, mas junto a poluição temos o desmatamento, as queimadas, as mortes dos animais, o esgoto acabando com os mananciais de água. Problemas nessa área não faltam.
Caminhamos para um estado de desertificação do cerrado, o clima quente atual, mais a baixa humildade do ar dá mais ainda essa impressão. A Mata Atlântica quase não existe mais. E o cerrado pode tomar o mesmo caminho.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Procura-se irmãos gêmeos em todo o Brasil!



Segue a nota de um assunto bem interessante, que nunca me provocou grande curiosidade, até porque tenho pouco contato com gêmeos, alguns que são mais próximos, por não serem univitelinos, me fazem na maioria do tempo esquecer que são gêmeos, na minha família não tem nenhum caso. Mas com certeza é um assunto interessante, até porque trata-se da realidade de uma boa parcela da população. Vale ficar um pouco mais curioso com o tema:

Jemima Pompeu é uma paulistana de 41 anos com um relacionamento gemelar incomum. E foi pensando nele que criou um blog para reunir histórias de gêmeos contadas por eles próprios ou por seus familiares. Em Vizinhos de Útero você encontra relatos de gêmeos adultos, depoimentos de pais, artigos relacionados, curiosidades e fotos de gêmeos famosos. Se você é gêmeo ou tem filhos gêmeos, acesse o blog e tenha sua história postada também!


http://www.vizinhosdeutero.blogspot.com
E-mail: vizinhosdeutero@gmail.com
twitter: @vizinhosdeutero

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

O Primeiro Passo de muitos




Escutamos muitas vezes ao longo da vida que precisamos, antes de morrer, de realizar três coisas essenciais para deixar um legado positivo nesse planeta: fazer filho(s), escrever um livro e plantar uma árvore. O último realmente é o mais fácil, já o fiz mais de uma vez, e quero fazer mais. Livro já poderia ter feito, tenho alvos de fechar um livro do meu pai, "Pedaços de Vida", e depois partir para os meus, quem sabe algum com o título "Feira de Assuntos"? Já filhos, com certeza também quero, em um futuro não previsível no momento.
Outras coisas podem entrar nesse rol de legados essenciais. Uma delas são as manifestações artísticas. Para os músicos, gravar um CD, ou registrar um trabalho próprio, feito com garra, o dinheiro do próprio bolso, principalmente, são elementos de maior autoria, e de eternizar uma obra para sempre. Passei por essa experiência, e com muita alegria estamos colhemos os frutos dela.
Como muitos sabem, sou baterista, toco em uma banda de rock cristã chamada S142. Um ano atrás, começávamos o processo que resultaria na gravação do CD de nome Primeiro Passo. Depois de dois, e agora três anos de banda, sentimos que era o momento de provar a nossa maturidade musical, mesmo sem ninguém ser profissional, corremos atrás da excelência dentro de nossas limitações, e buscando fazer uma gravação com profissionalismo, a começar do local em que a faríamos.
Escolhemos a gravadora Vida, de Goiânia, que grava diversos artistas cristãos e em espacial sertanejos, como Falcão e Josué e Zé Marco e Adrianno. O segmento não batia, mas nas mãos do produtor Davi França, que é guitarrista e de escola do rock'n roll, estávamos em ótimas mãos. E assim gravamos 11 canções nossas, com todos da banda empenhados em colocar o seu instrumento, e ser lapidado pelo profissionalismo do nosso produtor.
Depois de muita luta, estava pronto o trabalho, e nada melhor que um evento digno para apresentá-lo, o famoso "lançamento de CD". Mesmo sendo uma mídia em decadência, o Compact Disc ainda é um ótimo cartão de visita. E atinge públicos que a internet ainda não "fisgou", mesmo essa sendo o melhor e mais democrático espaço de divulgação. Enfim, investimos nesse evento, e não nos arrependemos.
Escolhemos como palco um lugar que marcou a infância e adolescência de metade da banda: O Instituto Presbiteriano de Educação, com um ginásio novo, que contava com um palco espaçoso, foi o pontapé para agregarmos uma estrutura de som, luz, alimentação e claro, muito som! Convocamos amigos, familiares e quem aprecia o nosso som para juntos comemorarmos essa vitória, e foi para nós um momento para ficar pra sempre em nossas melhores lembranças. Foram quase duas horas de som, de uma galera contagiante, e de uma satisfação e gratidão à Deus impagáveis.
É com prazer que divido esse momento com meus amigos Flecha, Rodrigo, Vinícius, Arthur, JP e nossos convidado mais que especiais Juba e Dani. Foi o Primeiro Passo de muitos, eu espero, queremos mais "filhos", "livros" e "árvores", embalada por nossas canções e caminhada de amizade, lutas e de buscar levar uma mensagem de paz e fé em nosso Deus.

Ps: Essa semana, estamos em fase decisiva de um concurso bem bacana, que levará a banda vencedora a tocar um fim de semana no Rio de Janeiro, peço seu voto na S142, segue a enquete abaixo, ou no site www.radiotribal.com
Vote quantas vezes puder!

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Vamos rir do quê?

A lei eleitoral, dos últimos pleitos pra cá evoluiu em vários sentidos, e infelizmente regrediu em outros. Na internet, prudentemente, não tentou impor nenhuma restrição mais séria, o que seria uma guerra inútil, como o mundo virtual já se mostrou incontrolável em seus diversos conteúdos, não dava para agora tentar restringir o uso eleitoral, em especial nas redes sociais.
Mas, para dar uma bola fora, o TSE apela para podar o humor segmentado na política. Depois de programas como o CQC expor a individualidade, e colocar em pauta o comportamento dos políticos, como nunca havia feito antes, levando muito mais consciência para o eleitor, os poderosos, incomodados com as quedas de máscaras, mexeram os pauzinhos e conseguiram um mimo: de ficarem livres de quem nos leva alegria durante as eleições.
A resolução do Tribunal diz: As emissoras estariam proibidas, em sua programação normal, de “usar trucagem, montagem ou outro recurso de áudio ou vídeo que, de qualquer forma, degradem, ridicularizem candidato, partido político ou coligação, bem como produzir ou veicular programa com esse efeito”. E sendo o humor um instrumento tão didático, claro aquele que trás diversão, reflexão e nos faz pensar de ângulos diferentes, será que acham que a sátira de um candidato o faz perder votos, e mais, as próprias presepadas deles não podem ser reveladas, e de uma forma divertida e saudável?
No rádio e TV, os veículos atingidos por essa determinação, já é obrigatório o horário eleitoral, lá todos os candidatos tem o seu espaço garantido, com as limitações que a lei rege, se lá eles podem falar tudo o que pensam, as propostas para sua gestão, porque uma contrapartida, feita com humor para aliviar a tensão do momento, não pode ter vez nesse espaço democrático? A propaganda política é enfadonha para uns, e relevante para outros, mas com certeza fica mais interessante quando podemos nos descontrair com os representantes que precisamos escolher para mandar em nossa cidade, estado e país.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Um vice relevante


Nessa terça-feira o Programa do Jô, como acontece de tempos em tempos, brindou os telespectadores com uma entrevista de 3 blocos com o vice-presidente da República, onde muitas histórias foram reviradas, e mostrou um lado ainda mais humano de José Alencar, além da sensibilidade causada pela luta constante dele pela saúde.
A história de vida bate com a de políticos e empresários bem sucedidos, e admirados, principalmente por vir de origem humilde, ou de classe média, de construir com sucesso uma vida empresarial e tendo uma carreira política sem maior turbulência, o que é lucro hoje em dia.
Muitas vezes nos perguntamos para que serve um vice, de que vale um cargo que não executa, não legisla, não aparece tanto na mídia? Penso que uma figura como a de José Alencar, com uma bagagem de sucesso, e tanta experiência de vida, como gestor e político, é um vice ideal, se for levado em conta como um conselheiro, um articulador, com participação efetiva de bastidores, é uma posição muito relevante.
Com o número de viagens exorbitante do presidente Lula, segundo José Alencar, ele assumiu o país por 500 dias em sete anos e meio. Muitas vezes, em um hospital enfrentando tratamento contra o câncer. Não era uma estabilidade boa, mas com certeza relevante.
Sobre o processo de paternidade, corria em segredo de justiça, e Alencar pediu para o mesmo ser quebrado, ele prometeu uma coletiva para explicar o caso, o caso já surgiu em 1998, quando era candidato ao senado por Minas. Ele afirmou que a única mulher que realmente namorou, e é a que é casado a 53 anos. Ele disse que não há indício de alguém que o tenha visto junto com a mulher da ação.
Pareceu bem tranquilo, disse que não irá recuar, se a mulher de 55 anos for sua filha, disse que a reconhece. Mas a postura foi de negar-se a fazer o exame, do qual disse: "não é 100% seguro." Terminou com a pérola: "Só falta todos que foram à zona um dia precisarem de se submeter a um DNA."